Novas mídias a nosso serviço

02/11/2007 at 18:22 (arte, Dança, mídias) (, )

Para os que não sabem, ou não lembram, eu sou bailarina clássica e de flamenco. Mas também estudante de jornalismo, de espanhol, faço estágio, sou filha, irmã, namorada, amiga… Enfim, tempo é uma questão complicada. Mas sei que isso ocorre com todos! O que me deixa um pouco aliviada!

Bem, a questão é: conciliar os horários de ensaio do meu grupo está cada vez mais difícil! Então, não para substituir as aulas mas como forma de grande auxílio entrou em cena as máquinas digitais! Isso mesmo, como não posso ir sempre aos ensaios, gravo o que acontece para treinar em casa.

Claro que não é a melhor maneira de ensaiar um grupo, o que deve ocorrer sempre em… grupo!! Mas são as novas mídias a serviço da dança!!! O vídeo ali é do ensaio de quinta-feira (01).

Anúncios

Link permanente 4 Comentários

Dança na terceira idade

31/10/2007 at 19:10 (Dança, terceira idade) (, )

Não é de hoje que os velhinhos (termo usado na melhor intenção) abandonaram o tricô e as sandalinhas. Lendo o jornal “A Tribuna” um dia desses me deparei com uma matéria contando que três senhoras, uma com mais de 90 anos, estavam saindo, como fizeram outras vezes, para viajar. Nada de incomum se elas não fossem no estilo mochileiro! Isso mesmo, as três foram conhecer o litoral do nordeste, de carro e sozinhas! Uma aventura e tanto.

Bem, mas não é preciso tanta adrenalina para perceber que o pessoal da terceira idade já anda “mais saidinho”. Além de viagens espetaculares (que eu adoraria ir junto), eles já têm grande participação no comércio, lazer e, claro, na dança!

As aulas de dança estão cheias de senhores e senhoras que querem desenvolver seus dotes. Os bailes de dança de salão então… lotados! E olha que eu já fui em muitos, e eles sempre estão lá, para conferir!

Vai uma dica aí então para os que ainda não aderiram: Saiam da frente da TV, vão perder uns quilinhos e ganhar muito em distração. Vovôs e vovós corram para as academias de dança! Faz muito bem para a saúde também!!!

Link permanente 11 Comentários

Nuestros hermanos!

26/10/2007 at 18:24 (arte, Dança, história, ritmos, tango) (, , )

Sim, sim… hoje falarei um pouquinho do tango argentino! Bem, tudo começou porque meu namorado e os amigos dele querem viajar para a Argentina nas férias. Então, o que sai nos jornais sobre o local acabo lendo. Foi o que aconteceu no início deste mês.

Saiu na Folha de São Paulo uma matéria interessante sobre tango, e o quanto ele pode ser lucrativo. Para se ter uma idéia, a matéria coloca que a dança movimenta, anualmente, US$ 135 milhões diretamente e US$ 400 milhões indiretamente, somente na cidade de Buenos Aires! Mas o que me chamou mais atenção foi o fato de que uma pesquisa do Observatório de Indústrias Culturais da Cidade de Buenos Aires revelou que 23% dos turistas estrangeiros colocam o tango como símbolo principal da cidade, ganhando do futebol, que está em segundo lugar, com 10%.

                                                                                          Tango na RUA!

O tango. Nascido no final do século XIX nas periferias da capital portenha, o tango é o símbolo maior da Argentina. Inicialmente estava associado a cabarés e bordéis, já que somente as protitutas aceitavam bailar. Mas com o sucesso na Europa, o tango passou a ser aceito nas famílias tradicionais. O maior nome e grande divulgador da dança no mundo foi Carlos Gardel, inventor do tango canção. Ele morreu aos 45 anos, devido a um acidente aéreo durante uma turnê.    Vocês podem curtir um pouco mais de tango, e de Argentina, no blog Viaje na Viagem! Muito legal! 

Link permanente 3 Comentários

Com a palavra, Lorena Fafá!

26/10/2007 at 13:33 (arte, Dança, ritmos) (, )

Como já havia dito ontem, esse post será dedicato à um bate papo com a passista da Mocidade Unidos da Glória (MUG), Lorena Fafá.

Como e quando você começou a dançar?

Minha família tem uma relação muito forte com a música e a dança – nada profissonal, apenas amor mesmo. Então, desde quando eu era muito pequenininha, meus pais me incentivavam a dançar. Primeiro, eles me ensinaram a me mexer no ritmo da música, depois ensinaram alguns passinhos, depois me colocaram na aula de jazz na escola. Aí eu tomei gosto pela coisa. Dançava na escola, comandava os passinhos nas festinhas de aniversário… essas coisas… hahahaha… Nunca dancei profissionalmente… mas sempre gostei muito de dançar.

Como foi chegar a passista da MUG?

Foi assim: em 2005, fui a um ensaio da MUG com alguns amigos e fiquei apaixonada. Então, passei a ir com muita frequência aos ensaios. Alguns membros da escola me viram na quadra e me convidaram para ser passista. Só que para ser passista, eu tive que passar por uma seleção.

Foram duas etapas: a pré-seleção, que foi feita pela coordenadora das passistas, e o concurso, que foi realizado na quadra da escola em um dia especial. Cerca de 80 meninas participaram da pré-seleção. 45 participaram do concurso e, delas, foram escolhidas 30 para serem passistas oficiais da MUG.

Na pré-seleção, a coordenadora das passistas avalia o samba no pé, a postura e o corpo das meninas. Quem souber sambar, tiver uma boa postura e não estiver muito acima do peso passa!

No concurso, cada uma das meninas se apresenta para o público, individualmente e em dupla, sempre sambando ao som da Bateria. Os jurados escolhem as 30 melhores e divulgam no final da noite. Como em quaisquer outros concursos de beleza, ou de dança… sei lá! hahaha Depois que sai o resultado, todas sambam juntas..

Eu confesso que, quando eu entrei no grupo de passistas da Escola, eu não entendia muito de samba. Mas, com o tempo, frequentando os ensaios, observando as passistas mais experientes, testandos os movimentos, gestos e passos, eu consegui aprender bastante. Acho que é como todos os outros tipos de dança: quanto mais você ensaiar, melhor você dança.

Só para explicar aos desavisados, o que é ser a passista de uma escola de samba?

Nessa resposta, vou ter que transcrever a sabedoria popular: As passistas são a “nata” do samba; O coração da Escola! hahahaha!!! Nós não somos como uma ala normal da MUG, que só é formada no dia do desfile. As passistas estão sempre presentes nos ensaios da bateria e nas apresentações da escola. Sambamos por amor à escola e ao samba. Isso que é o mais lindo pra mim! =)

Acho que para todas as passistas, principalmente para aquelas que vivem na comunidade – o que não é o meu caso – o samba não é encarado como um hobby. Acho que é o exercício de um estilo de vida. Quando sambamos, colocamos todo nosso sentimento. E temos liberdade para expressar todos eles por meio da dança. Cada movimento de pés, mãos, braços, quadril, pernas, cabelo, cada olhar, cada sorriso revela um pouco do que somos e do que sentimos.

Para finalizar, na sua opinião, todo brasileiro nasce sabendo sambar?

Não. Tem taaaanto brasileiro que não sabe sambar neste mundo… hahahaha… Mas eu acho que o samba “está no sangue” de todo brasileiro. O ritmo é contagiante. Eu duvido que haja alguém neste país que não sinta uma vontadezinha de mexer o corpo quando ouve, de perto, o som da bateria de uma Escola de Samba.

Infelizmente o vídeo está um pouco fora de foco mas já dá para ter o gostinho!!!

Valeu Fafá!!!

Link permanente 3 Comentários

Bloco de rua!

26/10/2007 at 13:21 (arte, Dança) (, , )

Blocos de RUA! Eu adoro!!! Pulo e danço como nunca! O legal desses blocos é que a essência deles é recordar (para mim na verdade é cohecer) o carnaval do passado. Uma bandinha tocando marchinhas e o povo acompanhando, dançando no ritmo!

Falar em bloco de carnaval também remete à micareta, o axé e tal, tal e tal. Conversando com meu pai, já há um tempo, ele fez uma observação interessante, que me fez pensar um pouquinho. Achei legal e vou compartilhar com vocês.

Já aviso que ele não gosta de micareta, apenas dos blocos de RUA e “do carnaval antigo, nos clubes da cidade”. Então ele disse assim (ou mais ou menos assim): “Eu não gosto dessas coisas. Ir a uma festa, onde está todo mundo vestido igual, dançando da mesma forma, mãozinha pra um lado, depois pro outro? Fora que se paga caro para isso!”.

Bem, mesmo se vocês não concordarem acho que vale a pena refletir. Será que um pouquinho mais de criatividade realmente não faria bem?? Eu defendo a dança livre! Hahaha!!! 

Ps para um desabafo: Sempre que eu ia a festas, no auge no axé, ficava boiando porque não sabia dançar todas coreografias, como grande parte das meninas!!!

Só para avisar aos que não sabem e recordar ao restante, foi justamente dos blocos de RUA que nasceram as grandiosas escolas de samba, hoje símbolos do Carnaval brasileiro.

E falando em Carnaval o que vem à cabeça? Samba, é claro! Amanhã então tem uma entrevista com Lorena Fafá, passista da Mocidade Unida da Glória (MUG), escola de samba capixaba! Ela dança muito!!!  

Link permanente 1 Comentário

Hoje sim: Dança DE rua

22/10/2007 at 18:38 (arte, Dança, preconceito) (, )

O street dance (dança de RUA) é um dos elementos da chamada cultura hip hop, que ainda inclui o DJ (disc-jockey), o MC (master of cerimonies) e o grafite. O estilo nasceu no final da década de 1960, nos Estados Unidos.

No Brasl, seguindo sua origem, o hip hop retrata a vida de jovens que moram nas periferias e enfrantam a pobreza, miséria e muitas vezes o preconceito racial. Um belo trabalho nesse sentido é desenvolvido pela Central Única das Favelas (Cufa), que leva a conscientização à jovens da favela através do movimento hip hop. Muito legal!

Link permanente 8 Comentários

A dança na rua, por enquanto não é dança DE rua!!!

22/10/2007 at 18:07 (arte, Dança, flamenco) (, )

O desafio dos próximos seis posts é: “Façam pautas sobre a RUA! Saiam da frente do computador e produzam algo”, Malini (outubro, 2007). Para quem não se lembra… o referido ali é meu professor de Jornalismo Online (confiram no primeiro post deste blog).

Pois bem… cá estou eu! E, neste primeiro post sobre RUA decidi contar um pouquinho da esperiência que é dançar nesse palco! Já me apresentei em pracinhas de Vitória e Vila Velha (ES) e ainda, literalmente, no meio RUA!!! Experiências fantásticas!

O público que me observava lá dificilmente era o mesmo dos teatros (com ingressos caros…). Então, o encantamento com que viam as apresentações era de emocionar! Se nas primeiras coreografias ficava todo mundo olhando, meio sem saber o que tava acontecendo, a partir da metade já se sentiam à vontade e as crianças até tentavam imitar o que era dançado.

                                   Eduardo Ribeiro

Uma cena curiosa que não posso deixar de contar foi minha última experiência do tipo. Como divulguei neste blog, a Alma Andaluza fez uma apresentação na pracinha do centro de Vila Velha por esses dias. E eu tava lá, compenetrada para dançar e de costas para a platéia. Quando me viro… um bêbado, agarrado numa garrafa dançava na beira do palco.

Se não bastesse, logo depois ele se juntou a outro bêbado. E ficaram lá os dois, abraçados  curtindo o som e dançando bastante. Enfim, a RUA é um grande palco de surpresas… e que maravilhosas essas surpresas!!! Adoro!         

Link permanente 3 Comentários

Mudanças de rumo!

19/10/2007 at 19:05 (tango)

Pois é… como eu havia dito antes, lá no início dste blog, minha programação poderia sofrer alterações ao longo do período! Mas… em respeito a você, meu querido leitor, resolvi explicar o que acontecerá!

Ao invés de falar apenas sobre um ritmo de dança de cada vez, resolvi dialogar com todos, ao mesmo tempo! Afinal, tudo é dança!!! Percebi que estava deixando de falar coisas legais que ficava sabendo sobre um dança porque eu estava, aqui no blog, falando de outra!

Espero que todos compreendam e continuem a me visitar!

Valeu!!!

Link permanente 1 Comentário

Alma Andaluza

11/10/2007 at 13:29 (arte, Dança, flamenco) ()

Já disse, lá no primeiro post, que posso sofrer influências no que escrevo aqui, porque sou do meio. O maior exemplo disso é o post de hoje, sobre a Alma Andaluza Cia de Danza. Pode parecer que só falo dela porque faço parte. Acreditem: não é!

A Companhia, criada há uns dois ou três anos, tem como claro objetivo divulgar o flamenco no Espírito Santo. Por isso, nós, bailoras e as diretoras do grupo, Giselle Ferreira e Mônica Tenore, buscamos sempre nos aperfeiçoar e aumentar nossos conhecimentos da arte.

Exemplo disso é a realização do 2º Festival Flamenco do Espírito Santo, ocorrido no início desse ano. Fizemos de tudo pelo sucesso do evento. O resultado? Muita gente querendo conferir o próximo! E você? Não ficou sabendo? Ano que vem tem mais!!! Já estamos preparando tudo! Aguardem!!!

Ps.: Sei que sou suspeita para falar! Então… confiram as apresentações do grupo para que vocês possam formar a própria opinião!!!

Link permanente 3 Comentários

Bulerias!!!

10/10/2007 at 22:42 (arte, Dança, flamenco) ()

Para terminar essa etapa do flamenco, em que estou fazendo um breve comentários sobre alguns ritmos, escolhi a Buleria! O cante é festeiro, com ritmo alegre e muita força na interpretação. 

O baile da buleria é o que permite maior intuição por parte do artista e grande comunicação com o público. No blog My Space tem mais um vídeo muito legal, mas só com os músicos!!!

Link permanente 1 Comentário

« Previous page · Next page »